Hortolândia ganha duas hortas comunitárias

Programa, em parceria com o Instituto Federal de São Paulo, foi lançado na manhã desta terça-feira (10/05)

Hortolândia acaba de ganhar duas hortas comunitárias: uma na Vila São Pedro e outra no Jardim Amanda II. Elas foram implantadas em áreas públicas urbanas pouco exploradas, por vezes sujeitas a descartes irregulares de lixo, e em breve produzirão novos frutos – alimentos orgânicos, como frutas, legumes e verduras; e novas práticas pessoais, sociais e ambientais, como trabalho em equipe, socialização e afazeres da lida com a terra. 

O programa “Horta Comunitária”, em implantação pela Prefeitura, tem como parceiro o câmpus local do IFSP (Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo), por meio da Coordenadoria de Extensão. O evento de lançamento, na manhã desta terça-feira (10/05), levou a um dos locais de plantio o prefeito José Nazareno Zezé Gomes e a diretora do câmpus, Profa.  Caroline Jango; representantes do Legislativo; secretários e diretores municipais, bem como moradores dos bairros do entorno. A ação integra a programação de aniversário de 31 anos do município.

“A horta é o alimento na mesa, é procurar o solo correto. Qual é o nosso intuito? Ocupar todos esses espaços, principalmente os de descarte clandestino que fazem na nossa cidade, às vezes na beira dos córregos, degradando o meio ambiente, e capacitar as pessoas para que façam estas hortinhas no fundo da sua casa também ou participem de outros grupos que possam viajar pela cidade, fazendo esse trabalho, plantando nestes pontos viciados de descarte e levando o alimento para a mesa das pessoas. Eu tenho um sonho e acredito que seja o de todos aqui: que, num futuro bem próximo, a gente consiga educar o nosso povo, levar estas hortas para as demais escolas e os espaços onde fazem o descarte irregular. Isso é também conscientizar as pessoas da questão ambiental, que é muito séria”, afirmou Zezé Gomes.

“As hortas comunitárias, para além de pôr alimento na mesa dos moradores do território, vão conscientizar sobre a importância do trabalho coletivo e da preservação das áreas que hoje são usadas para o descarte irregular”, afirma o secretário de Inclusão e Desenvolvimento Social, Francisco Raimundo da Silva.

Levantamento feito pela Prefeitura mostra que há, atualmente, cerca de 90 pontos de descarte irregular pela cidade. 

No âmbito do poder público, o programa é pilotado pela Secretaria de Inclusão e Desenvolvimento Social, em parceria com a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Os primeiros passos, como formação de mão de obra e implantação dos canteiros, estão aos cuidados da OSC (Organização da Sociedade Civil) Amater, com a qual a Administração Municipal assinou termo de cooperação por três meses. Participam do programa piloto 20 munícipes selecionados. Os passos seguintes serão dados pela equipe do IFSP, por meio do programa “Frutificando”, que será apoiada por servidores da Economia Solidária e do programa “Capacita Hortolândia”.

De acordo com o Dgres (Departamento de Geração de Renda e Economia Solidária), as hortas têm como objetivo atender à comunidade do território, a fim de oferecer formação para a preparação do solo, o plantio, a colheita e sustentabilidade do projeto, visando a segurança alimentar dos moradores do entorno. Toda a produção será distribuída entre os envolvidos, gratuitamente. 

As duas hortas comunitárias urbanas agora implantadas ficam no terreno ao lado do câmpus do IFSP e ao lado do condomínio Bromélias, na Rua Henriqueta Lisboa, s/n, no Jardim Amanda II. 

“Este projeto está acontecendo em caráter experimental. A meta é sua implantação em toda a cidade, diminuído o descarte irregular, promovendo a cidadania e despertando o sentimento de pertencimento dos moradores do entorno, além de promover a segurança alimentar”, ressalta o diretor do Dgres, Amarantino Jesus de Oliveira, o Tino Sampaio.

Poderão participar do programa, preferencialmente, pessoas físicas moradoras dos bairros Vila São Pedro, Terras de Santa Maria, Jardim das Colinas, Vila Real e Parque Orestes Ôngaro, segundo a Secretaria de Inclusão e Desenvolvimento Social. É preciso preencher ficha cadastral e entregá-la, junto com cópias de documentos pessoais, no Departamento de Geração de Renda e Economia Solidária, localizado no segundo andar do Paço Municipal “Palácio das Águas” (Secretaria de Inclusão), na Rua José Cláudio Alves dos Santos, 585, no Remanso Campineiro.